Hábitos alimentares saudáveis na China significa aplicarem-se princípios tradicionais seculares . Um chinês rural (80% da população) ingere mais calorias que um europeu, mas acumula menos gordura. Come mais amidos (arroz, milho-miúdo, batatas, etc.), mas pesa menos, come menos produtos animais (carne, peixe, lacticínios) e tem muito menos colesterol e problemas de saúde típicos do Ocidente moderno.  Mais, o potencial de crescimento é desenvolvido ao máximo, sendo que muitos atletas olímpicos seguem uma dieta principlamente vegetariana. Grãos integrais são, como na maioria das culturas,  a base da alimentação oriental.

Como remédio, a alimentação é usada como a farmacologia chinesa, segundo o princípio de pares de opostos, naturezas, sabores e tropismos.

Esta tradição de cura dá primazia à alimentação antes dos remédios, sendo uma componente importante da medicina Chinesa. Já há muitos séculos na China, o bom médico é reconhecido pela importância que dá à dieta do paciente, parte importante do diagnóstico. Os alimentos são considerados como remédios e prescritos numa dieta com propósitos terapêuticos.

 

Diferenças entre a Nutrição moderna e a dietética Chinesa

Ao longo das últimas décadas, a pirâmide Alimentar recomendada pela Food and Drug Administration dos Estados Unidos da América aproximou-se muito da pirâmide Alimentar saudável tradicional no Oriente (Kushi, 2005). A nutrição moderna oferece uma segurança reforçada a certas tradições de cura alimentar tradicionais. A tradição oriental tem uma longa experiência, prescrevendo, de acordo com a queixa principal e um diagnóstico oriental, alimentos, quantidades e metodos de preparação.

Adicionalmente, o especialista poderá sugerir complementar as recomendações com tratamento com acupunctura auricular ou acupunctura corporal para ajudar a regular a fome e o metabolismo.

O nosso consultório tem boa experiência no tratamento do excesso de peso, desequilíbrios no apetite, hipertensão e hipercolesterolemia. A consulta dura de uma hora a hora e meia.

Anúncios