A Acupunctura é um método de tratamento denominado não-convencional de acordo com a terminologia da Organização Mundial da Saúde.

Atribui-se o nome Acupunctura, a um jesuíta europeu que retornando da China, no século XVII, adaptou os termos chineses Zhen ., juntando as palavras latinas acum (agulha) e punctum ou pungere (punctura). A tradução literal do termo chinês é Zhen (agulha) – Jiu (cauterização). Na verdade, esta é uma tradução imprópria que dá a ideia que o terapeuta só trabalha com agulhas.

Jiu significa cauterização porque, tradicionalmente, o método também incluía a combustão de folhas de artemísia, preparadas a serem usadas em pontos, eventualmente criando uma micro-lesão controlada. No Ocidente esta prática raramente se usa, por razões estéticas.

Assim como a acção da agulha pode interferir na energia do meridiano, a combustão de folhas secas de artemísia sobre a pele pode influenciar sobre o corpo através de pontos específicos e nos meridianos, com resultados importantes. A moxa termo derivado de mogusa, de origem japonesa, é confeccionada com as folhas secas da planta Artemisiae Argyi, usada na moxabustão. O nome chinês da planta é Ai Rong.

Na tentativa de satisfazer alguns conceitos académicos, a acupunctura na linguagem ocidental é um método de estimulação neurológica, com efeitos sobre neurotransmissores, neuromoduladores e reacção do sistema imunitário (pró e anti-inflamatória).

Historicamente, a primeira propriedade da acupunctura que foi capaz de chamar a atenção académica, foi justamente no domínio da dor. Esquemas foram levantados para associar libertação de endorfinas causadas por estímulos de agulhas sobre nervos específicos.

Durante algum tempo, muitos ivestigadores duvidaram da aplicação da acupunctura fora do tratamento da dor e nas funções do sistema nervoso autónomo. Os mecanismos da terapêutica da acupunctura, ainda não estão claramente associados aos mecanismos fisiológicos sob os domínios da ciência actual.

Ainda hoje, apesar do espaço que ganha nos hospitais e clínicas médicas, alguns especialistas aceitam, a contra gosto, a acção terapêutica da acupunctura no tratamento da dor e nas disfunções do sistema nervoso autónomo. Entretanto, não é possível ignorar os testes realizados com metodologias largamente aceites no meio académico, assim como não é possível ignorar uma cirurgia realizada sob a anestesia produzida pela simples punção de agulhas.